Psicoterapia Psicossíntese

Psicoterapia com Alma

E

nquanto influenciado por varias modelos como psicoterapeuta a minha abordagem principal é a psicoterapia com PsicossínteseFrequentemente caracterizado com “uma psicoterapia com alma”, a psicossíntese é entendida como um modelo integrativo e transpessoal (para alem do pessoal); uma psicologia positiva e hólistica com aplicações na terapia, na educação, o trabalho, a sociedade; e além na espiritualidade.

A psicossintese enfatiza a possibilidade de integração progressiva da personalidade em torno da essência do ‘Eu’ por meio do uso da vontade. Atravez do desenvolvimento e harmonização da função psicologica central que é a vontade, verificamos que o alinhamento e manifestaçao das nossas qualidades e potencial por si reproduz uma espécie de motivação interior que apoia a mudança. Similarmente, dificuldades em torno de motivação e esperança estão intrinsicamente ligados á capacidade de manifestar a nossa vontade própria e transpessoal.  A psicossintese enquadra momentos de crise, como uma oportunidade ou até desejo de dar forma ao potencial emergente na jornada pessoal do cliente.

Assim, o percurso da psicossintese é a compaixão e aceitação do agora, perante o desconhecido. A iminência das nossa vidas diárias e seus problemas bem como o aspecto transcendental e evolutivo, a procura do desenvolvimento pessoal e transpessoal do “Ser”. O objectivo é a integração e síntese; ao nível global, e ao nível do psique. O técnico da Psicossintese evita focar redutóriamente o sintoma de sofrimento, a patologia ou a personalidade; mas procura entender o cliente no seu todo, integrando os vários aspectos da pessoa acolhendo e apoiando as sementes do potencial inato que procura ser exprimido. Á semelhança do trauma reprimido do passado, o potencial reprimido do futuro também tem efeitos sobre a personalidade e a capacidade de um individuo manter se presente no “agora”.

O movimento integrativo da psicossíntese

O movimento da psicossintese foi fundada por Roberto Assagioli, um  psicanalista italiano pioneiro nos campos de Psicologia humanística e transpessoal. Correspondia com Freud e Carl Jung, o pai da psicologia transpessoal. Desenvolveu um modelo robusto, rico em técnicas e ferramentas e capaz de dar espaço e segurança aos alicerces da personalidade, nomeadamente a estrutura construída pelo passado, integrando estes aspectos ou experiências por vez marcantes, com outros aspectos transpessoais, inatos ou superiores que conduzem á manisfestação do nosso potencial para o bem estar em relacionamento e no trabalho.

Entendemos a Psicosintese com um movimento integrativo porque reúne um conjunto de técnicas e teorias únicas para psicologia contemporânea, bem como incluir aspectos de outros modelos ou escolas de pensamento. Presuppoe e inclui a psicanálise como uma primeira fase necessária á terapia. O forro cognitivo e comportamental é incluindo, e de forma alargado para manter uma visão holistica que não só observa os nossos pensamentos mas lembra que a capacidade inata de cada um em perceber que temos – pensamentos, sentimentos e um corpo – mas não somos nenhum destes aspectos nem nenhumas das “personagens” ou patologias que por qual frequentemente podemos identificar nos. A psicosintese pergunta “quem sou eu?” que observa, e que tem estas experiências escolhidas conscientemente ou inconscientemente. A psicosintese integral conduz a uma vida conscientemente vivida e experiencial. A semelhança de modelos humanísticos como a psicoterapia gestalt, existencial, rogeriana etc, que focam a perspectiva e realidade da “pessoa”, em vez do “paciente”e sua doença; a psicossintese tombem realça a relação terapeutica, como factor essencial a modelar a relação interior com o cliente tem com o seu “Eu”.  Eu verdadeiro, com o seu Eu “superior”. Poderá se entender este como nosso aspecto divino, ou talvez o “chamamento da alma”.

Deste modo, a psicossintese é tambem considerado psicologia transpessoal, e abre consideração ao inconsciente colectivo.  Aprendemos a cultivar o “observador” interior que permite a integração  e síntese dos diversos aspectos da personalidade e mais ainda – a pratica de psicosintese abre a porta á exploração da nossa espiritualidade individual que pode ser cultivada em suporte á terapia enraizada. Este é o convite. A escolha de seguir a jornada e passar a porta é de cada um. Falamos do alinhamento e inclusão do campo “espiritual”, da vontade pessoal e transpessoal, o chamamento da alma que é diferente mas comum a todos.

O movimento da psicosintese continua a ter forte desenvolvimento na comunidade psicológica em especial em países com a Itália, Inglaterra e os Estados Unidos.

Infelizmente em Portugal, apenas constam cerca de meia dúzia de profissionais de Psicossintese (formados no estrangeiro).  No entanto existem inciativas de formação em desenvolvimento (veja mais na secção de recursos).

 

 

“Não há certeza, só há aventura.” – Roberto Assagioli